22.8.17

[Resenha #1287] Nossas noites - Kent Haruf @cialetras



Nossas noites
Kent Haruf
ISBN-13: 9788535928662
ISBN-10: 8535928669
Ano: 2017
Páginas: 160
Editora: Companhia das letras
Skoob
Classificação: 4 estrelas
Compre: Amazon

Sinopse:
Em Holt, no Colorado, Addie Moore faz uma visita inesperada a seu vizinho, Louis Waters. Viúvos e septuagenários, os dois lidam diariamente com noites solitárias em suas grandes casas vazias. Addie propõe a Louis que ele passe a fazer companhia a ela ao cair da tarde para ter alguém com quem conversar antes de dormir. Embora surpreso com a iniciativa, Louis aceita o convite. Os vizinhos, no entanto, estranham a movimentação da rua, e não demoram a surgir boatos maldosos pela cidade. Aos poucos, os dois percebem que manter essa relação peculiar talvez não seja tão simples quanto parecia. Neste aclamado romance, Kent Haruf retrata com ternura e delicadeza o envelhecimento, as segundas chances e a emoção de redescobrir os pequenos prazeres da vida que pode surpreender e ganhar um novo sentido mesmo quando parece ser tarde demais.


Resenha:

Acabei de terminar a leitura do livro Nossas Noites do autor Kent Haruf, da editora Companhia das Letras, e estou me perguntando se um livro é bom porque nos gera prazer durante sua leitura, ou se ele é bom porque mesmo depois que terminamos ele fica dentro de nós revirando, trazendo questões que talvez nem estivessem no consciente. Faz apenas uma hora que terminei o livro, e me senti na necessidade de transmitir a sensação que ainda ecoa depois de seu término.

Louis e Addie são dois viúvos que moram na mesma rua na pequena cidade de Holt, no Colorado. Suas noites são solitárias e muitas vezes eles não conseguem dormir. Addie decide superar seus receios, e em uma visita a casa de Louis propõe a ele que passe suas noites na casa dela, para que assim ambos tenham com quem conversar durante a noite. Surpreso Louis aceita, e passa a frequentar a casa desta doce senhora, mas o que eles não esperavam é que a felicidade alheia incomodaria tantos as pessoas.


Haruf criou sua narrativa em terceira pessoa, onde os diálogos não tem marcação como aspas e travessão, no início isso pode atrapalhar, mas a medida que esta leitura progredi isso acaba desaparecendo. A leitura flui muito suave e doce, como as palavras do autor que tem delicadeza de nos trazer fatos tristes e marcantes da vida destes dois idosos sem que isso soe pesado. Mesmo no desfecho da trama que é triste, e foi o que me fez tirar um ponto de sua nota não só pelo conteúdo mas pela rapidez dos fatos, onde uma situação muda o rumo da estória ele consegue transmitir a tristeza sem drama ou peso. 

Louis é um professor aposentado que tem consciência dos erros que cometeu em seu passado e que inclusive marcam sua reputação até seu momento atual, e embora mais velho acredite que tenha feito escolhas erradas não é uma pessoa amarga, ao contrário, desde o momento em que se decide por aceitar a proposta de Addie ele se dedica a ela em suas atitudes e no seu coração. Ao longo do tempo ele se torna uma pessoa melhor, o tipo de homem que soa como um ótimo avó, que tem o que transmitir e ensinar aos netos.

Addie perdeu não só o marido, como uma filha quando esta era ainda uma criança, mas o fato não a torna uma pessoa triste mas sábia. Ao contrário do que é esperado ela não se fechou para vida, tem vida de sobra e vontade de ter seus dias de velhice bem aproveitados, por isso ela busca Louis sem medo do que qualquer um pense de sua atitude. Ela soa até engraçada as vezes de tão prática que ela é, sem meias palavras ou atitudes dúbias.

Louis e Addie como casal são a coisa mais fofa! Eles se conhecem a medida que o tempo passa e as noites de conversa evoluem, pois embora sejam vizinhos, e a esposa de Louis tenha sido amiga de Addie, eles não tinha amizade anterior. Foi lindo ver a evolução do sentimento, da confiança e da atitude destes dois. O amor que nasce da convivência e da rotina é mais maduro e profundo do que aquele que passa pela paixão, e que logo pode se apagar.


Embora tenha apenas 160 páginas o livro é repleto de mensagens, sendo a principal a esperança. Já que o casal não acreditava que poderia viver uma relação novamente na idade deles. Quando eles assumem a relação ouvem outras pessoas na cidade que gostariam de ter a mesma oportunidade. Infelizmente nem todos tem a mesma opinião, e a pior deles fica por conta de Gene, o filho de Addie, traumatizado na sua infância, tornou-se uma pessoa amarga que não consegue ver a beleza das pequenas coisas da vida. A aparência é o mais importante, e ele não consegue ter uma boa relação com a mãe, menos ainda com o filho e a esposa.

Eu espero que cada um que leia guarde a principal mensagem do livro que é que não importa a idade que você tenha, o que você já tenha feito. Sempre é tempo para recomeçar, para fazer o que se gosta, para conhecer novas pessoas, e o amor novamente, seja por alguém com quem você divide uma cama, seja inclusive por um novo animal de estimação. Envelhecer não é acumular dor, amargura e passado. É tornar-se mais sábio, mais seguro e porque não até mais ativo?! 

Nossas Noites é um poema com forte dose de realidade, nos acalenta a alma ao mesmo tempo que revira tudo. É uma conversa entre solidões e desamparos, e um luz para os que não veem mais caminho. Pois a solidão bate me nossas portas diariamente cobrando nossas escolhas, se você não as fizer bem vai acabar suas noites em claro desejando mais um dia para ter a coragem de simplesmente ser você!

Nenhum comentário

Postar um comentário

© BLOG ROTINA AGRIDOCE- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por MK DESIGNER E LAYOUTS